Centro-Oeste teve maior crescimento em 2022 - Tessa / AO4
1942
post-template-default,single,single-post,postid-1942,single-format-standard,bridge-core-2.1.9,ehf-footer,ehf-template-bridge,ehf-stylesheet-bridge,ajax_fade,page_not_loaded,,no_animation_on_touch,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-20.6,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.1,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-344,elementor-page elementor-page-1942
 

Centro-Oeste teve maior crescimento em 2022

Centro-Oeste teve maior crescimento em 2022

O Boletim Regional do Banco Central revelou que o Centro-Oeste teve o maior crescimento no ano passado.

Apesar do crescimento em 2022, puxado essencialmente pelo setor de serviços, a atividade econômica apresentou retração nas cinco regiões no quarto trimestre, “corroborando a desaceleração em curso”, segundo.

“Impactado pelo retorno da mobilidade após o fim das restrições impostas durante a pandemia, o setor de serviços manteve trajetória de expansão durante todo o ano, encerrando 2022 com crescimento expressivo”, destacou o documento.

 

Heterogeneidade

 

Segundo o Banco Central, a atividade econômica cresceu em 2022 “com alguma heterogeneidade no desempenho dos setores”, apesar da desaceleração ao longo do ano, em particular no quarto trimestre.

O setor terciário também desacelerou no quarto trimestre. “O mercado de trabalho seguiu em trajetória favorável, com manutenção da geração de postos formais de trabalho, embora dados do quarto trimestre indiquem perda de dinamismo na margem”, disse o BC.

O crescimento da produção agrícola foi o responsável pelo Centro-Oeste ter liderado a alta da atividade econômica no ano passado, além da indústria de alimentos e da forte expansão da construção pelo segundo ano consecutivo, como o avanço no setor de serviços.

No período, a expansão foi de 5,9% na região, com contribuição significativa do aumento da safra de milho e de serviços prestados às famílias, na esteira da reabertura da economia após a pandemia.

O Nordeste cresceu 3,9% em 2022 com a retomada do setor de serviços e o desempenho favorável da agricultura e da construção civil. A indústria de transformação continuou apresentando variação negativa, mas em menor intensidade que no ano anterior.

A ocupação manteve o processo de recuperação tanto no mercado de trabalho formal quanto no informal, mas os rendimentos recuaram na comparação anual.

Por outro lado, a economia do Sudeste desacelerou em 2022 em relação ao ano anterior, com recuo no comércio e menor ritmo de expansão na indústria e nos serviços. No ano, a elevação foi de 3,5%. No Sul a atividade cresceu 1,2%, a menor taxa dentre as regiões, após ter “assinalado recuperação mais ampla em 2021”.


Fonte: Valor